quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Soneto 11 - Luis Vaz de Camões

Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor?

Um comentário:

Sociedade dos Vampiros disse...

Eu gosto muito desse soneto,tem uma música da legião urbana chamada Monte Castelo.
Legal.

=^.^=